Comer ovo todos os dias faz mal?

Por muitos e muitos anos, o ovo foi considerado o grande vilão da alimentação. A quantidade precisava ser restrita a três por semana, para evitar o aumento do colesterol. No entanto, depois de muitas pesquisas em universidades do mundo inteiro, o ovo tornou-se um dos heróis de uma dieta saudável e equilibrada.

Os altos índices de vitaminas A, D e B12 transformaram o ovo em um alimento salutar. Além disso, ele também é uma ótima fonte de proteína.

Estudos internacionais

Como o ovo é um alimento rico em colesterol LDL (o que faz mal à saúde), associou-se o alimento com a doença. No entanto, um estudo da Universidade Finlândia Oriental constatou que comer um alimento com muito colesterol não significa que haverá um aumento de LDL no sistema circulatório.

Em um artigo publicado em janeiro de 2018, pela Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos, os pesquisadores constataram que não há relação entre o consumo de ovos e a incidência de doenças cardiovasculares, como infarto e derrame. O estudo envolveu mais de 9,7 mil pessoas entre 25 e 74 anos, que foram acompanhadas por 20 anos.

A informação nem é nova. Em 1999, a Universidade de Harvard divulgou um estudo que analisou 115 mil pessoas durante uma década e concluiu que comer um ovo diariamente não levaria a um aumento do colesterol no sangue.

Clara x gema

A clara, a parte transparente do ovo, é formada por água e albumina – proteína importante para o desenvolvimento dos músculos. Entre os benefícios, a clara do ovo está relacionada ao controle da pressão arterial. No entanto, com poucas calorias, ela não tem quantidade de consumo recomendada no dia a dia.

A gema, por sua vez, concentra a parte mais calórica do ovo – o que não significa que não possa ser consumida no dia a dia. É uma fonte rica de vitamina A, vitamina D, cálcio, ácido fólico e ômega-3, além de vitamina B, ideal para o funcionamento do cérebro.

Como preparar seu ovo

O tipo de preparo também influencia no impacto de um alimento à saúde. E com o ovo não é diferente: comê-lo frito não é recomendado.

Ovos pochê.

É o tipo de preparo de ovos mais recomendado pelos médicos. Uma das formas de fazer é cozinhar o ovo sem casca em água quente, mas não fervente, por até quatro minutos.

Ovo cozido

Se você achar muito difícil fazer ovo pochê, a segunda alternativa recomendada por especialistas é o ovo cozido. Desse modo, a gema ainda preserva a maioria dos nutrientes.

Mexido

Foi o ovo mexido que popularizou o uso do alimento no café da manhã. Substituindo o pão, o ovo é um aliado para quem busca uma dieta com menos carboidratos e mais nutritiva. Para prepará-lo use pouquíssimo óleo se usares uma frigideira antiaderente. No entanto, nesse tipo de preparação, as gorduras naturais são oxidadas, o que não é tão recomendado.

Frito

É o menos indicado pois tem mais calorias, além de maior teor de gorduras e colesterol. No entanto, com moderação e esporadicamente, dá para comer o ovo dessa forma. Lembre-se, apenas, de usar pouco óleo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *