Autismo – Sinais de alerta na infância

Mais conhecido simplesmente como Autismo, o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) tem ganhado maior visibilidade nos últimos anos. Mas você sabe o que é TEA? Entenda melhor sobre as causas, diagnósticos e maneiras de intervir positivamente no tratamento do transtorno.

O TEA é um transtorno do desenvolvimento neurológico, de diferentes níveis, mas que basicamente se caracteriza por dificuldades de comunicação e interação social, além da presença de comportamentos repetitivos ou restritos. Não há cura para o TEA, pois ela é uma condição e não uma doença. Mas existem formas de suavizar as características e de aprender a lidar da melhor maneira com o transtorno, principalmente quando o diagnóstico é feito nos primeiros anos de vida. 

Em alguns casos, é possível notar os sinais logo após o nascimento. Apesar do diagnóstico ser feito geralmente em torno dos quatro/cinco anos de idade, é possível notar a partir de 12 meses de vida alguns aspectos, que segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, podem ajudar:

  • Perder habilidades já adquiridas, como balbucio ou gesto dêitico de alcançar, contato ocular ou sorriso social;
  • Não se voltar para sons, ruídos e vozes no ambiente;
  • Não apresentar sorriso social;
  • Baixo contato ocular e deficiência no olhar sustentado;
  • Baixa atenção à face humana (preferência por objetos);
  • Demonstrar maior interesse por objetos do que por pessoas;
  • Não seguir objetos e pessoas próximos em movimento;
  • Apresentar pouca ou nenhuma vocalização;
  • Não aceitar o toque;
  • Não responder ao nome;
  • Imitação pobre;
  • Baixa frequência de sorriso e reciprocidade social, bem como restrito engajamento social (pouca iniciativa e baixa disponibilidade de resposta)
  • Interesses não usuais, como fixação em estímulos sensório-viso-motores;
  • Incômodo incomum com sons altos;
  • Distúrbio de sono moderado ou grave;
  • Irritabilidade no colo e pouca responsividade no momento da amamentação.

 

É a partir da sua observação, como pai ou responsável, que estes sinais podem ser percebidos. A partir deles, uma avaliação formal do desenvolvimento neuropsicomotor é fundamental, e pode ser feita durante a consulta pediátrica. 

Se você já observou algumas dessas características, fique tranquilo: hoje em dia o Autismo é lidado de maneiras diferentes e muito mais evoluídas tanto no campo da medicina como no campo comportamental e social. Por isso, um vínculo entre paciente, família e o médico pediatra é muito importante para a troca de informações e busca de esclarecimentos sobre os melhores tratamentos e formas de lidar com o transtorno. Busque sempre orientação médica o quanto antes, quando notamos algum sintoma ou comportamento fora do padrão, é importante investigar. Você e seu filho só têm a ganhar.

 

As informações disponíveis neste site possuem apenas caráter educativo. Apenas uma avaliação com um profissional médico possibilitará o diagnóstico de doenças, a indicação de tratamentos e a prescrição de medicamentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *