Com qual frequência devemos visitar o oftalmologista?

Você se lembra da última vez que visitou o oftalmologista? Ao contrário do que normalmente ocorre, a consulta de oftalmologia deve ser preventiva e não corretiva. Se sua resposta à pergunta anterior foi não, você é como a maioria das pessoas: só procura um especialista quando nota algo diferente na visão.

Por incrível que pareça, isso acontece até mesmo com quem já usa óculos. No entanto, a correção do grau é apenas um dos motivos para tornar as visitas ao médico dos olhos mais frequente do que de costume.

A visita regular à(ao) oftalmologista, assim como em outras especialidades, permite o diagnóstico precoce, que pode evitar muitos problemas oftalmológicos, inclusive a cegueira. É por isso que os cuidados com a saúde dos olhos devem iniciar ainda no útero – quando já é possível identificar malformações que podem afetar a visão do bebê – e se estender ao longo de toda a vida.

Frequência variável, mas necessária

As consultas ao(à) oftalmologista devem fazer parte da rotina de todas as pessoas. Isso vale para todas as idades, desde os mais novos até os mais velhos.

A frequência varia conforme a idade e o perfil da(o) paciente. De modo geral, recomenda-se que a médica ou o médico especialista seja procurada(o) pelo menos uma vez por ano, mesmo por quem que não possui histórico familiar de doenças oculares.

Os exames oftalmológicos de rotina são importantes para realizar uma avaliação da saúde ocular de forma global. Isso ajuda não só a prevenir o desenvolvimento de patologias, como a promover maior bem estar.

O estilo de vida de cada paciente (uso de lentes de contato, computadores ou ar condicionado, por exemplo) influencia diretamente no tipo de cuidados que serão recomendados para manter a visão em dia. Assim, é importante que a(o) oftalmologista avalie caso a caso.

Ainda na maternidade, o Teste do Olhinho

O primeiro contato com o(a) oftalmologista costuma ocorrer logo ao nascer, quando a criança é submetida ao teste do olhinho. Neste exame, o médico ou a médica aponta um foco de luz em cada um dos olhos do(a) recém-nascido(a) para observar a cor e o reflexos das pupilas.

Por meio do procedimento é possível detectar diversas anomalias como tumores, catarata congênita, traumas de parto e erros de refração como miopia, hipermetropia e astigmatismo. Ainda que não seja identificado nenhum problema, as crianças devem consultar a(o) especialista a cada seis meses nos dois primeiros anos de vida – que é o estágio principal de desenvolvimento da visão,

Idade escolar necessita de atenção

Ao longo da infância e da adolescência, bem como de boa parte da vida adulta, as consultas anuais costumam ser suficientes para quem não apresenta nenhuma patologia. No entanto, no caso de crianças em idade escolar, a atenção deve ser redobrada. Além das consultas, é fundamental que os pais observem queixas e sinais que possam indicar problemas com a visão.

Coceira, vermelhidão e conjuntivites frequentes são sintomas a serem observados de perto. Dores de cabeça após a aula, dificuldades de aprendizado ou não acompanhar objetos com o olhar também podem ser indícios de que algo não vai bem com a saúde ocular da criança. Neste caso, é necessário procurar uma(um) oftalmologista assim que possível.

Depois dos 40 anos, visitas mais frequentes

Ao atingir 40 anos, é normal que as consultas se tornem mais frequentes. Isso porque é nessa idade que patologias como glaucoma e catarata começam a aparecer.

A partir desta faixa etária, os exames anuais de rotina são essenciais para identificar e tratar precocemente essas doenças. Quanto mais cedo se inicia, maiores as chances de evitar que os problemas se tornem irreversíveis.

Conforme o diagnóstico, o médico ou a médica poderá orientar cada paciente sobre a frequência das consultas. Mas, independentemente da faixa etária ou do histórico, é sempre válido lembrar que a(o) especialista deve ser procurada(o) imediatamente sempre que houver alguma alteração ou incômodo nos olhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *