Conheça os 11 picos de crescimento dos bebês e suas características

Sabe aqueles períodos em que o bebê fica mais irritado, tem alterações no sono e mama mais do que o normal? Na maioria das vezes, não há motivos para preocupação, pois essas são consequências do crescimento. É comum as crianças terem mudanças de comportamento quando passam pelos “picos de desenvolvimento”.

Pediatras explicam que quando o bebê aprende novas habilidades – sejam motora, cognitiva, de linguagem e até social – elas vêm acompanhadas de alterações no humor, apetite e sono. A mente da criança precisa de um tempo para acompanhar as mudanças no organismo. Enquanto isso não acontece, há essas reações.

Prática contínua

O mecanismo, apesar de talvez assustador para mães e pais, é simples: toda vez que o bebê aprende algo novo – sentar, andar, falar – tenta praticar o tempo inteiro. Inclusive, durante o sono. Por isso, muitas vezes, não dorme bem (em uma tentativa de trabalhar as novas habilidades) e fica cansado.

Esses efeitos colaterais, que muitas vezes preocupam, na verdade são normais e fazem parte do crescimento. Após dominar a nova técnica, o bebê volta a dormir bem, comer em quantidades normais e a ficar mais calmo.

Os especialistas elencam alguns períodos em que é mais comum acontecer os “saltos de desenvolvimento”. Contudo, essas fases podem variar de criança para criança, assim como a intensidade dos sintomas. Confira os meses e também as habilidades adquiridas pelos bebês em cada período.

  • 5 semanas (um mês)

Normalmente, por volta da quinta semana de vida, a visão do bebê começa a melhorar. Assim, ele ou ela demonstra mais interesse pelo ambiente.

É comum nesse período, a criança começar a seguir os objetos com os olhos, ficar mais tempo acordada, chorar com lágrimas e também sorrir. Em muitos casos, o primeiro sorriso vem por essa idade.

  • 8 semanas (2 meses)

Com a visão mais perceptível, ao chegar às oito semanas, o bebê começa a perceber melhor os outros sentidos: sons, cheiros e sabores. Também começa a mostrar suas preferências de cores, por exemplo.

É nessa fase que os recém-nascidos que ficam mais inseguros, buscando o conforto com a mãe.

  • 12 semanas (3 meses)

Nessa idade, as crianças começam a ampliar a visão e conseguem enxergar todo o cômodo em que estão. As atividades motoras já estão se desenvolvendo mais, e os bebês juntam as mãos, mexem nos cabelos e nos rostos dos pais. Já tem mais firmeza e quase não precisam de apoio para manter a cabeça erguida.

  • 19 semanas (4 meses e meio)

É o salto mais longo de crescimento e também com maiores efeitos colaterais. O primeiro dente costuma a nascer nessa idade, por isso é quando o bebê começa a colocar os brinquedos na boca.

Nessa fase, a criança também começa a emitir sons mais nítidos. Em contrapartida, o bebê chora mais, tem mudanças extremas de temperamento. E um detalhe: dorme menos.

  • 26 semanas (6 meses)

Coordenando melhor os movimentos dos braços e das pernas, o bebê consegue sentar sem apoio, rolar e também se apoiar para ficar de pé. Tem interesse em explorar a casa, presta mais atenção nas vozes e pode imitar os sons.

É nesse período, ainda, que já pode receber alimentos sólidos.

  • 30 semanas (7 meses)

É nessa idade que os pais começam a ficar ainda mais bobos, já que o bebê começa a falar algumas sílabas, a abanar para dar tchau e também a engatinhar. Mas é também nessa época que ficam mais ansiosos ao estar com estranhos.

  • 37 semanas (8 meses e meio)

Nessa idade, o bebê passa a entender o que é comida, o que é um animal e também o que são os objetos. Além disso, a criança começa a falar  “mamãe” e “papai”, mas ainda sem distinguir quem é quem.

Junto com as novidades vêm as mudanças de humor, que vão ficando mais frequentes. A criança fica mais manhosa, resiste na hora de trocar a fralda, começa a chupar os dedos, e o apetite diminui.

  • 46 semanas (11 meses)

É a fase em que começa a ficar mais independente: já está apontando para o que quer ou para alguma pessoa, tenta falar no telefone e colocar chaves nos buracos. É nessa fase também que os pequenos e as pequenas começam a tentar tirar a roupa. Além disso, já identificam quem são “mamãe” e “papai”.

  • 55 semanas (13 meses)

O bebê começa a andar e também a aumentar o vocabulário.

  • 64 semanas (15 meses)

A criança começa a imitar as pessoas, combina palavras e expressões e tenta se manifestar mais. É nessa fase que começa a responder frases como “joga a bola”, “dá tchau”, “manda beijo”.

  • 75 semanas (17 meses)

É quando o repertório de palavras começa a aumentar: o bebê usa em torno de seis palavras com frequência. Além disso, começa a imitar as pessoas e esconder os brinquedos. Também é nessa idade que a criança começa a rabiscar livros, cadernos e até sua parede.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *