Tomografia computadorizada ou ressonância magnética? Entenda quando fazer um ou outro

Tomografia e ressonância são duas técnicas antigas. A ressonância magnética foi desenvolvida em 1940, enquanto a tomografia computadorizada evolui desde 1961.

Os dois exames revolucionaram a medicina, já que oferecem  “imagens” em alta resolução do nosso corpo ou de algum órgão. Mas afinal, você sabe a diferença entre eles?

O que é uma tomografia?

A tomografia computadorizada (comumente abreviada de TC) consiste em um raio-X ultra sensível aplicado a uma determinada parte do corpo. Os “feixes” atravessam o órgão e formam uma imagem do corpo.

Neste exame, os ossos aparecem em branco, e os gases e líquidos, em preto. Os tecidos são vistos em tons de cinza.

O que é uma ressonância?

A ressonância magnética (ou RM, quando abreviada) tem esse nome porque cria um campo magnético que envia ondas de rádio ao corpo. Assim, mede-se a liberação de energia das células com uso do computador.

A partir da energia liberada pelo corpo e captada pelo aparelho é que se forma a imagem. Fica como uma fotografia tridimensional do corpo.

Especificidades

Apesar de os dois exames oferecerem imagens detalhadas de partes do corpo, cada um tem suas especificidades. Atomografia é excelente em captar imagens anatômicas em poucos segundos.

A ressonância, por sua vez, é superior em estudos neurológicos. Também se mostra mais indicada na investigação de tendões, de músculos e das mamas. Além disso, tem desempenho superior diagnóstico no estudo de lesões do fígado.

Aplicações

Dadas as especificidades de cada exame, ressonância magnética e tomografia são usadas com diferentes objetivos e por diferentes especialidades médicas. Confira algumas das aplicações.

Aplicações da ressonância magnética

A ressonância magnética é a preferida para realizar imagens de: cérebro, coluna vertebral, vasos sanguíneos, ligamentos, articulações, esclerose múltipla, tumores no cérebro, infecções no sistema nervoso central, tendinite, derrame, hérnia de disco, entre outros.

Aplicações da tomografia

A tomografia normalmente é solicitada para verificar acidentes cerebrovasculares, hemorragias intracranianas, tumores, fraturas na face ou no crânio, pneumonia, pedras nos rins, apendicite, diagnóstico de sinusite e para implantes dentário, entre outros.

Contra-indicações

Assim como as aplicações, ressonância magnética e tomografia também têm contra-indicações específicas. Isso ocorre porque o processo usado para “fotografar” o corpo é diferente em cada exame.

Contra-indicações da ressonância magnética

A ressonância magnética não é indicada para portadores de marca-passo, desfibrilador cardíaco implantável, implante coclear, clipes vasculares metálicos, prótese vascular, stent vascular, DIU, próteses ortopédicas ou fragmentos de metais no corpo.

As tatuagens antigas possuíam traços de metais, por isso quem tem essas artes também entra na lista de pessoas que para quem o exame não é indicado. Outro grupo é o de gestantes, quando o exame inclui pedido de contraste.

Contra-indicações da tomografia

A tomografia não é indicada para gestantes em geral, pessoas alérgicas a iodo (quando for pedido com contraste), pacientes com claustrofobia e obesos(as).

O que são exames com contraste?

Exames de contraste incluem a utilização de substância injetadas na corrente sanguínea. Esses químicos, chamados então de “contraste”, aparecem com mais detalhes na imagem do exame, permitindo apurar informações que, de outra maneira, não ficariam claras.

Ressonância magnética com contraste

Para realizar a ressonância magnética com contraste usa-se o gadolíneo, uma substância que dificilmente causa alergias e raramente têm contra-indicações. O gadolíneo é eliminado pela urina, podendo causar mal-estar.

Quem possui insuficiência renal deve evitar o seu uso. Isso porque, como é o rim que deve filtrar o contraste para eliminação, a substância pode causar sobrecarga no órgão.

Tomografia com contraste

O contraste na tomografia é feito à base de iodo. Por isso, para evitar possíveis reações, pessoas alérgicas à substância ou a a frutos do mar não podem realizar o exame de contraste.

Tempo dos exames

  • Ressonância magnética: entre 15 minutos a 2 horas
  • Tomografia: entre 5 minutos a 20 minutos

Vantagens e desvantagens

Como tudo na vida, cada exame tem seu lado bom e seu lado ruim. Do ponto de vista médico, o interesse maior via de regra é no tipo da imagem que ressonância magnética ou tomografia oferecem. Mas há também outros fatores, como conforto de pacientes, que são levados em conta.

Vantagens da ressonância magnética

  • Não utiliza o raio-X;
  • Nenhum efeito colateral ou danos à saúde pela exposição ao campo magnético e às ondas de rádio;
  • Retrata a anatomia com mais detalhes;
  • É mais sensível e específico para anormalidades dentro do cérebro;
  • Capaz de gerar imagens em mais planos ;
  • Pode reconstruir órgãos e regiões anatômicas em 3D;
  • Contrastes utilizados têm um risco consideravelmente menor de causar reação alérgica grave.

Vantagens da tomografia

  • É menos sensível ao movimento da(o) paciente durante o exame;
  • Pode ser realizada sem qualquer risco para pacientes com dispositivos médicos implantáveis​​, como marca-passos cardíacos ou clipes vasculares ferromagnéticos.

Desvantagens da ressonância magnética

  • Exame demora e é preciso ficar muito tempo sem se mexer;
  • A ressonância custa, no mínimo, o dobro do valor da tomografia – o que traz restrições na liberação dos convênios;
  • Maior tempo de espera para receber o laudo médico do exame.

Desvantagens da tomografia

  • Utiliza raio-X;
  • Imagens captadas em um único plano;
  • Devido ao contraste, o exame pode influenciar a perda da função renal para pacientes que já tenham predisposição para isso.

One thought on “Tomografia computadorizada ou ressonância magnética? Entenda quando fazer um ou outro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *